Bullet journal e a saúde mental

bullet journal Ao longo dos anos, muitos estudos vêm demostrando que uma mente ativa suporta mais sobrecargas de tarefas, gerando menos lapsos. Por isso mesmo, hora ou outra escutamos falar de exercícios para o cérebro, como a realização de tarefas que fogem da rotina diária. Aprender um novo idioma, a tocar um instrumento musical e até mesmo andar de costas são exemplos de treinamento para o cérebro.
Nesse propósito de “fazer a cabeça funcionar”, algumas atividades ganham o gosto popular. Os livros para colorir são um exemplo de sucesso recente e que com certeza você já teve ou conhece alguém que já! Mas e o bullet journal, você conhece?
bullet journalCriado pelo designer Ryder Carroll, esse é um sistema de organização de agendas que, com várias etapas, permite à pessoa “acompanhar o passado, organizar o presente e planejar o futuro”. A tarefa não é fácil nem intuitiva, mas ainda assim virou um sucesso entre milhares de pessoas em todo mundo. Basta olhar os incontáveis e fascinantes compartilhamentos em redes sociais como Facebook, Instagram, Tumblr ou Twitter

Que tal ter o seu? Além de anotar as tarefas diárias e mensais, a ideia é registar também seus sonhos e inspirações. Anime-se com o bullet journal do vídeo abaixo:

Confira também dicas da youtuber Daniela Gandra para criar o seu:

Doação de órgãos – O poder de salvar vidas

doacao-de-orgaos (2)

A cada ano, milhares de pessoas com doenças graves são salvas graças à doação de órgãos.

A cada ano,  milhares de pessoas com doenças graves morrem pela falta de um órgão que lhes permita viver.

Jean Dausset, Nobel de medicina, assim escreveu sobre a doação de órgãos:  “O dom da vida, o mais belo!… Preserve essa joia de solidariedade humana, benevolente e anônima”.

doacao-de-orgaosDe fato, essa doação é um gesto imensurável de amor ao próximo, mesmo em meio a uma dor enorme que toma os familiares na hora da decisão.  Cabe a eles, em tão pouco tempo, definir sobre o destino dos órgãos e tecidos da pessoa falecida. E nem sempre a escolha é pelo sim. Muitas vezes, os familiares optam por não fazerem a doação.

A doação é possível quando o paciente é notificado com morte cerebral. Com a aprovação da família, os órgãos passam por uma triagem a fim de analisar sua aptidão.

 

Crenças religiosas, desconhecimento do processo e recusa em aceitar a morte cerebral estão entre os principais motivos que levam os familiares a recusarem a doação. De acordo com Leonardo Borges de Barros e Silva, coordenador da Organização de Procura de Órgãos do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), muitos familiares acreditam ainda que o fato do corpo manter-se quente e do coração seguir batendo é um indício de que a pessoa sobreviverá. O quadro, no entanto, é irreversível, pois com a morte cerebral o paciente perde todas as funções que mantêm a sua vida, como a consciência e capacidade de respirar.

Morto em acidente de carro no Rio de Janeiro, técnico da seleção olímpica alemã de canoagem tem órgãos doados no Brasil.

Stefan Henze - doacao de orgaos

 

Na última sexta-feira (12/08/2016), o técnico da equipe alemã de canoagem slalom, ex atleta e medalhista olímpico Stefan Henze, de 35 anos, sofreu um acidente de carro no Rio de Janeiro. Ele estava no Brasil em razão dos Jogos da Rio 2016. Stefan teve morte cerebral na segunda (15) e a família decidiu pela doação de seus órgãos.  No dia seguinte, uma mulher de 66 anos, cuja identidade não foi divulgada, recebeu seu coração. Os rins e o fígado de Henze também foram captados.

 

Há poucos dias, outro caso de doação chamou a atenção de todo o mundo. Uma noiva foi levada ao altar por homem que recebeu coração do pai dela. Confira no vídeo abaixo:

Parto natural ou cesárea? Mães compartilham suas experiências

 parto-normal-cesarea (1)

Desde sua difusão, há algumas décadas, como alternativa de um parto sem dor, médicos alertam para os riscos que a cesariana pode causar para a saúde do bebê,.

Diversos estudos apontam que crianças nascidas assim têm uma flora intestinal diferente, e menos resistente, daquelas nascidas de parto normal. De acordo com pesquisa da Universidade de Copenhague, isso acontece porque os bebês nascidos de cesárea desenvolvem um menor número de células responsáveis pelo fortalecimento do sistema imunológico.

A primeira exposição a microrganismos parece ser crucial para as células reguladoras do sistema imunológico do novo ser; e o tipo de parte contribui fortemente para isso.

Segundo a pesquisa, os bebês nascidos de parto normal são expostos a mais bactérias da mãe, fazendo com que o sistema imunológico do recém-nascido aprenda a distinguir entre suas próprias moléculas e outras estranhas. Isso o tornaria mais resistente e saudável.

Experiências compartilhadas

Perguntamos em nossa página no Facebook se nossas fãs teriam experiências para compartilhar sobre o seu tipo de parto e uma possível relação entre ele e a saúde do seu filho. A pergunta foi aberta e não mencionava especificamente a saúde intestinal das crianças, assim as mamães responderam de forma bem ampla. Confira suas experiências compartilhadas para a pergunta: “Mamães, vocês acreditam que o parto normal ou cesárea influenciou de alguma forma a saúde dos seus bebês?”

Tali Gomes De forma alguma. Minha BB nasceu cesárea, 37 semanas e com 4.100kg. É perfeita, saudável e minha recuperação super tranqüila! Faria tudo de novo!

Marisa Freitas Tive três cesariana e foi tudo perfeito meus filhos são perfeitos e quero mais um chega parto p laquiadura 🙂

Silvana Amauri Licheski O meu filho tbm foi cesariana e ele é bem saudável não fica doente temos planos mas e difícil usar

Rosi Ramos Duarte A minha nasceu de cesárea e nunca teve nenhum problema de saúde grave.