Vai-se o outubro rosa, vem o novembro azul

outubrorosanovembroazul

O mês está acabando e com ele o maior destaque mundial para o câncer de mama. Porém, mesmo sem a grande visibilidade do outubro rosa, é importante lembrar-se de que qualquer mês e dia são tempos de cuidar-se. E sobre isso, uma das coisas mais importantes é fazer o autoexame. Quanto mais cedo for a descoberta do câncer, melhores são os resultados do tratamento.

autoexame-mama

Com o fim de outubro, ainda que o destaque ao tema deixe de ser tão intenso, ao menos tem início o novembro azul, mês em que a consciência é despertada para o câncer de próstata. Aqui no Brasil, ele é o segundo mais comum entre os homens, ficando atrás apenas do câncer de pele (esse também é o mais comum entre as mulheres). Estima-se que ao final de 2016 sejam detectados 61.200 novos casos de câncer de próstata, segundo dados do INCA.

Câncer de mama , uma reflexão sobre a própria vida

cancer-de-mama

Não é fácil. Receber o diagnóstico de câncer de mama e enfrentar os tratamentos  com certeza fazem parte de uma fase de tensões, ansiedade e, para muitas mulheres, sentimentos de culpa.  Sobre esse último, é comum entre elas a busca por uma razão que justifique a doença , razão essa que para muitas parece estar ligada a suas ações: o que teria feito para isso, talvez esteja sendo castigada etc.

Somete quem passa ou passou por esse conflito emocional pode saber o quanto ele é marcante e o quanto superá-lo pode ser fundamental para enfrentar o tratamento sentindo-se forte, bela e merecedora de uma vida cheia de bons momentos.

Fugindo dos aspectos meramente negativos, algumas mulheres decidem enfrentar esse momento como uma ruptura com sua vida anterior. Algumas chegam à conclusão de que não viviam de forma plena, que não estavam tempo o suficiente com quem amam, que há tempos já não faziam o que tanto gostavam.  Por isso, com o tratamento, surgem também novos planos, agora movidos por uma paixão maior e até então desconhecida.

Enfrentar a ideia de sua própria morte lhes permite superar o sofrimento  e relativizar os medos. Além disso, depois dessa experiência marcante, muitas descobrem a grandeza do amor e da amizade de familiares, amigos e até de pessoas que não pareciam tão  próximas. Esses sim são sentimentos que ajudam as mulheres em tratamento, renovando sua confiança e aumentando sua força e autoestima.

Outubro rosa também chama atenção para câncer de mama masculino

cancer-de-mama-masculino

Outubro é o mês em que mundialmente é feita uma campanha com o intuito de alertar às mulheres sobre o câncer de mama, o já conhecido outubro rosa. Toda ação é pensada especialmente para elas, tanto que o nome e cor utilizada são o rosa, que culturalmente ainda é a que mais representa o feminino.

No entanto, o mês também deve ser lembrado como luta contra o câncer de mama como um todo, o que também inclui os homens, ainda que de forma mais rara. Segundo tipo de câncer mais comum entre as mulheres (superado apenas pelo de pele), o câncer de mama representa cerca de 25% dos novos casos a cada ano entre elas, enquanto nos homens esse número é de menos de 1%. Embora esse pareça um número pequeno, 181 homens morreram da doença no Brasil em 2013, segundo últimos números do INCA – Instituto Nacional do Câncer.

Ela decidiu lutar linda contra o câncer

outubro-rosa-ingrid-klass
outubro-rosaSabe aquelas pessoas que conseguem inspirar a todos, mesmo em seus momentos mais difíceis? Pessoas como a flor de lótus, sabe? Aquela flor linda e delicada, que sobrevive nos lugares mais inóspitos e, por isso mesmo, é considerada sagrada em muitas culturas; um símbolo de pureza, força,  renascimento e prosperidade. Assim é a Ingrid Klass.

A DESCOBERTA

Com apenas 24 anos e vivendo o sonho do casamento próximo, Ingrid descobriu um câncer de mama. Nova, sem histórico familiar, sua primeira reação foi de falta de fé e muito choro. Porém, isso não durou muito. Após receber o diagnóstico, enquanto seu noivo a guiava no carro sem destino certo, ela lembrou-se de sua mãe, que durante nove anos lutou pela vida com um sorriso no rosto e muita força. Pensou também nas crianças que enfrentam a doença com garra e autoestima elevada. Decidiu que com ela seria assim também.