Cortar o cordão umbilical mais tarde traz benefícios

Cortar o cordão umbilical mais tarde traz benefícios

Um estudo publicado no Banco de Dados Cochrane de Revisões Sistemáticas, entidade internacional que divulga informações sobre intervenções na área de saúde, mostra que cortar o cordão umbilical pelo menos um minuto após o parto pode trazer benefícios ao bebê.

Segundo a pesquisa, a demora no corte do cordão umbilical – que deve ser de 1 a 3 minutos – aumenta o estoque de ferro na criança e o nível de hemoglobina, proteína globular que tem como função absorver e transportar o sangue.

Curiosidades Gravidez

A gravidez é uma fase cheia de descobertas e curiosidades que facilmente podem nos surpreender. Confira algumas características bastante comuns:

1) As contrações não terminam após o parto. É comum que durante alguns dias a mulher volte a sentir dores. Isso acontece porque a área onde a placenta esteve presa precisa ser cicatrizada. Essa dor será sentida principalmente durante a amamentação, devido ao estímulo dos mamilos causarem contrações uterinas. Apesar de doloroso, isso ajuda a mulher a se curar mais rápido.

2) Dentro do útero os bebês são capazes de fazer coisas surpreendentes, como chupar os dedos, soluçar, bocejar, girar sobre si e até mesmo sonhar.

3) Os odores são percebidos de maneira muito mais intensa pelas grávidas, pois a circulação sanguínea fica mais intensa. Isso explica a sensação de enjoo com determinadas comidas e perfumes e é tido como um mecanismo de defesa.

4) Estresse excessivo da mãe na gravidez ou experiências muito intensas podem prejudicar o bebê, que pode ter déficit de atenção, inquietude ou ansiedade.

5) É comum vazar um líquido amarelado dos seios durante a gravidez chamado colostro. Ele é o primeiro “leite” que as mamas produzem antes do leite materno em si.

Protetor no Inverno

Por mais que alguns não acreditem, os raios UV também aparecem durante os climas frios do ano, quando o sol resolve se esconder, especialmente aqui em Curitiba e Região Metropolitana!

Durante o verão os raios UVB (responsáveis pela sensação de ardência e vermelhidão) são mais comuns devido ao efeito ser rapidamente perceptível. Porém, durante o inverno os raios UVA continuam incidindo com a mesma intensidade em nossas peles. A diferença é que o seu efeito é cumulativo e atinge as camadas mais profundas da pele, fazendo com que suas consequências demorem mais para aparecerem. Isso pode ser evitado se o protetor solar for utilizado com mais frequência.

Umas das consequências dos raios UVA em nossa pele são: aparecimento de rugas, manchas, flacidez, envelhecimento precoce e predisposição à alergias e surgimento do câncer de pele.

Para o dia a dia produtos com o FPS 30 são suficientes para proteger, segundo a dermatologista Danielle Aguiar em entrevista para o Beleza Extraordinária.

Além disso, as fórmulas cremosas dos filtros solares são ótimas para hidratação, visto que no frio o ressecamento da pele é bastante comum.

É válido lembrar que apesar do sol trazer grandes benefícios para a saúde, ele precisa ser aproveitado com moderação e cuidado para que problemas futuros não aconteçam. Os produtos modernos, além de protegerem nossa pele de radiações nocivas, deixam infiltrar os raios responsáveis por um bronzeado bonito e uma pele mais saudável.

Entenda a diferença:
Raios UVA (atingem a camada subcutânea): penetram nas camadas mais profundas da pele sem deixar marcas, causando envelhecimento precoce e o melanoma, um tipo agressivo de câncer.

Raios UVB (atingem a derme): provocam a vermelhidão e as queimaduras solares. Além disso, estão diretamente relacionados ao câncer de pele não melanoma, o mais comum dos tumores nesse tecido.