Anvisa diminui quantidade de iodo no sal

Anvisa diminui quantidade de iodo no sal

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou a diminuição da quantidade de iodo no sal. Até então, no quilo de sal havia de 20 mg a 60 mg de iodo. Com as novas regras o teor deve variar de 15 a 45 mg. As empresas têm 90 dias para se adaptar às novas mudanças.

O que o iodo no sal provoca no organismo?

O excesso pode causar Tireoidite de Hashimoto, também conhecida como tireoidite linfocítica crônica. A principal característica dessa doença é a inflamação da tireoide, uma das maiores glândulas do corpo, localizada no pescoço.

Já a falta de iodo no organismo pode causar problemas cognitivos em crianças; bócio (popularmente conhecido como papo) e abortos e malformação do feto, no caso das grávidas. Portanto, deve existir um equilíbrio da substância em nosso corpo.

Quanto de sal por dia?

E esse equilíbrio é feito no sal, já que é um alimento barato utilizado no mundo todo. Nos últimos 20 anos a Anvisa modificou três vezes a quantidade de iodo no sal no Brasil. Em 1994, por exemplo, a variação era de 40 mg a 60 mg.  E em 1998 era de 49 mg a 100 mg.

De acordo com o Ministério da Saúde, a quantidade de iodo elevada da última década ajudou a diminuir o número de casos de bócio no país. A alteração atual também tem um propósito, já que uma pesquisa apontou que a quantidade de iodo na urina do brasileiro está elevada.

Alguns especialistas, no entanto, discordam da decisão da Anvisa. A endocrinologista Laura Ward disse ao Jornal Folha de São Paulo que “é uma decisão errônea que coloca em risco a saúde das gestantes brasileiras e de seus bebês”. Segundo ela, metade das grávidas do país tem déficit de iodo.  Ou seja: a quantidade não deveria diminuir.

O que você acha da decisão da Anvisa? A diminuição da quantidade de iodo no sal foi acertada ou não? Clinipam, mais saúde para você!