Apendicite: como se desenvolve

clinipam-plano-de-saude-apendicite
O apêndice consiste em uma pequena bolsa localizada no início do intestino grosso, ao lado direito do abdômen, em uma região conhecida como ceco. A apendicite, portanto, é a inflamação dessa vesícula, que pode ocorrer devido à obstrução da mesma por uma pequena quantidade de fezes ou por danos no tecido linfático (presente na região do apêndice).

Geralmente, a apendicite inicia como uma simples dor na região do umbigo, causando náuseas e vômitos. Porém, após um tempo, que pode variar de pessoa para pessoa, a dor começa a se espalhar e atinge o lado direito do abdômen, trazendo consigo febre e perda de apetite. Portanto, se você tem sentido tais sintomas, procure um médico o quanto antes. Isso porque, se a apendicite não se restringir apenas ao apêndice e acabar rompendo o órgão, a infecção pode se espalhar por todo o abdômen (peritonite aguda). Nestes casos, geralmente o corpo cria mecanismos de defesa para deter o problema, porém, as tentativas podem não funcionar.

A doença, na maioria dos casos, surge entre os 15 e 50 anos, e pode ser detectada de diferentes formas. Especialmente com base nos sintomas e em exames clínicos e complementares. É necessário entender, todavia, que os sintomas para a identificação da condição podem variar e se manifestar em ordens e intensidades diferentes, tornando os diagnósticos distintos de caso para caso.

Ao se constatar a presença da doença, a forma de tratamento mais indicada é a cirurgia. Durante o procedimento, é retirado o órgão infectado e, caso a infecção se espalhe, é feita uma drenagem. O tempo de recuperação no hospital leva de um a três dias, porém, é necessário tomar cuidados com a alimentação e com o corpo após a liberação.