As principais causas de dores abdominais

dores-abdominaisAs dores abdominais podem ser consequência de diversos fatores. A dor é uma forma de o organismo manifestar que há algo errado. Trata-se de uma forma de proteção, para que pioras ou desenvolvimento de doenças mais sérias sejam evitadas. O blog da Clinipam separou, hoje, as principais causas de dores abdominais, de acordo, sobretudo, com a região dolorida.

No abdome há muitos órgãos e estruturas que podem apresentar dores: estômago, intestino, fígado, pâncreas, vesícula, baço, rins, músculos e ligamentos. Além disso, há dores que surgem em um local do corpo e o problema abrange outros locais. E há aquelas que não são possível saber exatamente a origem. Entre os casos de dor abdominal que não costumam oferecer riscos maiores estão a constipação, alergias ou intolerância alimentar (como à lactose), intoxicação alimentar e gripe estomacal.

Em alguns casos a dor abdominal aparece devido a um problema em outra parte do corpo, como em casos de ataque cardíaco, cólicas menstruais intensas, Endometriose, estiramento muscular, doença inflamatória pélvica (DIP), pneumonia, gravidez tubária (ectópica) e Infecções do trato urinário. Os tipos de dor variam de pessoa para pessoa conforme sua sensibilidade, e podem ir desde uma queimação ou cólica, até pontadas ou pressões.

Ardência, queimação e dor como a de “sensação de fome” costumam estar associadas a doenças do esôfago, do estômago ou do duodeno (Esofagite de Refluxo, Gastrite Aguda e Úlcera Péptica). Os diagnósticos são possíveis por meio de exames. Doenças do coração podem desencadear dor na área superior e central do abdome. Dor em cólica no meio da barriga e associada à diarreia, com ou sem vômitos, pode ser causada por gastrenterites. Já a Apendicite Aguda apresenta uma dor intensa localizada na porção inferior direita do abdome, que piora com o tempo e é associada à febre.

Dores logo abaixo das últimas costelas direitas (localizadas no quadrante superior direito) geralmente estão associadas ao fígado ou à vesícula biliar. Já as cólicas, que aumentam rapidamente de intensidade, seguidas de alívio progressivo, podem ter relação com cálculos (“pedras”) na vesícula ou nos canais biliares. Dor moderada e duradoura nesta mesma zona, aliada à falta de apetite, náusea, icterícia (coloração amarelada das mucosas e da pele), forte escurecimento da urina e branqueamento das fezes são causadas, muitas vezes, por hepatites. Pneumonias que atingem a parte inferior do pulmão direito também podem ser responsáveis por dor nessa região.

São muitas as dores que podem se manifestar na região abdominal. Portanto, se sentir algum desconforto com muita frequência, procure um médico e inicie o tratamento adequado. Para conhecer um pouco mais sobre os problemas intestinais mais comuns e esclarecer dúvidas, veja o vídeo da TV Clinipam sobre má digestão e dor abdominal: