Dicas para prevenir doenças da visão

visao-problemas-doença-oftalmologicas-clinipam-plano-de-saude-em-curitiba

 As doenças oculares são algumas das que mais atingem a população. Cerca de 161 milhões de pessoas no mundo tem a visão reduzida, das quais 37 milhões são cegas. De acordo com o oftalmologista, Dr. Hamilton Moreira, na medicina, a prevenção é sempre mais importante do que o tratamento. Pensando nisso, o blog da Clinipam traz dicas sobre como prevenir doenças da visão.

A primeira forma de prevenção são os exames periódicos, mesmo quando não há apresentação de sintomas, bem como a detecção precoce, quando os sinais começam a aparecer. A partir daí será possível evitar ou corrigir as doenças oculares e evitar a cegueira. Cuidados simples podem ser tomados no dia a dia, já que o ambiente pode influenciar diretamente nas doenças da visão. “70% do nosso relacionamento com o meio ambiente se dá através da visão”. Portanto, procure sempre usar óculos de sol e boné e nunca olhe diretamente para o sol, já que pode causar catarata.

É importante sempre observar o local à sua volta e atentar para os agentes causadores de possíveis irritações ou doenças nos olhos. Se o sal do mar causar irritação, lave os olhos com água doce; na piscina, use óculos adequados por causa do cloro; já ao praticar esportes é importante usar sempre um protetor ocular indicado para a modalidade praticada.

Uma doença dos olhos muito comum é a conjuntivite. A bacteriana é transmitida através de fronhas, toalhas, objetos pessoais, além do contato íntimo; as alérgicas se desenvolvem devido a outras alergias (como a rinite alérgica) e só podem ser prevenidas se você conhecer algum item que leve a ter alergia ocular. “No caso de conjuntivites virais, que apresentam grandes índices de contaminação, evitar o contato direto com pessoas infectadas é a única forma de não adquirir a doença”.

Há, ainda, formas de detectar e prevenir doenças da visão ao longo de cada período da vida:

– Ao nascer: teste do reflexo vermelho (Teste do Olhinho). Utiliza um foco de luz em cada olho do recém-nascido para observar o reflexo que se forma no fundo das pupilas. Com ele, é possível a identificação de tumores, catarata e glaucoma congênitos, traumas de parto, miopia, hipermetropia e astigmatismo.

– Após os 3 anos: é possível fazer uma avaliação geral da saúde da visão da criança e identificar se há alterações de grau, estrabismo, miopia ou outras deficiências.

– Idade pré-escolar: crianças com 6 ou 7 anos de idade. Deve-se fazer uma avaliação completa da visão, com dilatação da pupila e exame de fundo de olho,.

– Entre 18 e 40 anos: a avaliação oftalmológica é recomendada a cada dois anos durante a fase adulta. Uso do computador, raios ultravioleta, automedicação, entre outros, podem desencadear problemas de visão.

– Após os 40 anos: os exames oftalmológicos anuais são obrigatórios. Isso porque essa fase é marcada pelo aparecimento da presbiopia (vista cansada), que consiste numa alteração no cristalino e no músculo ciliar e impede o indivíduo de enxergar de perto. Além desse, problemas como a catarata, o glaucoma e a degeneração macular (embaçamento da visão central) são mais suscetíveis.

Uma das dicas mais importantes dada por oftalmologistas é não se automedicar e sempre procurar ajuda especializada. Se você quer saber mais sobre as doenças da visão, dicas e tratamento, assista ao programa da TV Clinipam sobre visão: