Neofobia alimentar em crianças

neofobia-crianca-nao-quer-comer-disturbio-alimentar-plano-de-saude-em-curitiba

Você já ouviu falar de neofobia alimentar? Talvez você não conheça por nome, mas, se você tem filhos, provavelmente já deve ter presenciado algumas cenas. Sabe quando as crianças não querem experimentar novas comidas, ou fazem cara feia para verduras e legumes? Pois é isso. A Clinipam traz para você explicações sobre esse mal e como reduzir seus efeitos.

A neofobia alimentar é o receio de consumir alimentos novos, considerados “estranhos” à primeira vista. Há rejeição mesmo que a comida não tenha sido sequer provada. Seus sintomas são mais comuns em crianças com idade entre 1 e 7 anos. Apesar disso, também pode acometer adultos. O que é preciso levar em conta é que rejeitar uma vez não significa que será rejeitado para sempre, até porque, trata-se de uma fase transitória. Por isso, deve-se oferecer novamente em outra oportunidade.

É importante saber que os hábitos alimentares são formados desde a infância e que os pais são os principais responsáveis por essa formação, seja saudável ou não. É comum que os filhos se espelhem na alimentação dos pais e dos irmãos, portanto, também é imprescindível dar o exemplo. Mas a principal medida a ser tomada é o estímulo a uma alimentação saudável, com o oferecimento constante de frutas, verduras e legumes, de preferência num prato bem arrumado e com variações de combinação.

Se a criança se recusar a comer, não faça chantagens, do tipo “você só vai ganhar sobremesa se comer toda a comida”, e nem determine castigos. Esse tipo de estratégia faz com que a ingestão seja uma obrigação, além de poder causar fobias futuras que podem persistir por toda a vida. E atenção às quantidades: crianças comem menos que os adultos, portanto, nada de obrigá-las a comer mais do que conseguem.

Quer reduzir a neofobia alimentar? Ensine a criança sobre a alimentação, ou seja, fale sobre fome e saciedade, o que é comestível ou não, os sabores dos alimentos e seus benefícios à saúde e também sobre a quantidade que se deve consumir.

Os pais devem ficar atentos também a possíveis distúrbios, causados pela deficiência de nutrientes essenciais, como a anemia. Observe sinais como palidez, fraqueza, sonolência, dor muscular e cefaleia. Caso note algum desses sintomas, procure um médico para que ele possa investigar a situação e dar as orientações necessárias.