O que é a insônia e quais os seus tipos?

O que é a insônia e quais os seus tipos?

A quantidade diária de horas de sono que pode ser considerada saudável ainda é motivo de dúvida para muita gente. Dormir menos do que se precisa, afinal, é a característica principal da insônia, distúrbio que incomoda 40% dos brasileiros em alguma fase da vida, conforme estimativas da Organização Mundial de Saúde (OMS). Para combater a insônia com eficácia, é preciso conhecer melhor o problema, que pode estar ligado a outros males como obesidade e depressão.

Para o Dr. Matheus Firmino, médico psiquiatra da Rede Clinipam, a insônia pode ser caracterizada pela sensação de que o sono não foi reparador, seja qual for o motivo. Isso é perceptível no dia seguinte, quando a sonolência, a tristeza e a irritabilidade tomam conta do insone. Quem sofre de insônia costuma demorar para dormir, acordar diversas vezes durante a noite ou despertar bem antes de ter recarregado as baterias. “A insônia pode ser transitória, ocorrendo apenas em uma fase da vida, ou crônica, durando muitos anos”, diz o psiquiatra.

Dormir pouco é sempre sinal de insônia?

Nem sempre dormir pouco significa sofrer de insônia. A necessidade de sono diária varia muito conforme a idade: em geral, quanto mais jovem a pessoa, mais ela precisa de sono. Um recém-nascido dorme cerca de 16 horas por dia, em sono profundo. Crianças e adolescentes dormem de dez a 12 horas por dia. “Já idosos podem dormir até cinco horas por dia e se sentirem muito bem”, diz o Dr. Matheus Firmino.

Quais as causas da insônia?

Segundo o psiquiatra, as causas da insônia podem ser psicológicas (estresse e sobrecarga no trabalho, por exemplo), físicas (motivada por doenças, como as respiratórias ou as crônicas) e abusos de substâncias, como álcool, cafeína e drogas. Pessoas que sofrem de insônia podem ainda ter outros distúrbios como depressão e ansiedade.

Mas comer demais antes de dormir também pode prejudicar o sono. A exceção é o leite: por conter triptofano, ele ajuda a preparar a pessoa para o sono se consumido cerca de 15 minutos antes. Exercícios físicos também ajudam porque proporcionam relaxamento. Mas nada de musculação tarde da noite: o ideal é caminhar pela manhã ou no fim de tarde para dormir melhor depois. E cuidado com remédios que apenas induzem ao sono e não tratam a insônia. Eles podem causar dependência e apenas disfarçam o problema. O Dr. Matheus Firmino orienta a procurar um médico para revisar a sua receita se você não anda se sentindo satisfeito.

De que forma a insônia pode afetar a vida?

O sono interrompido pode acabar aos poucos com a qualidade de vida, alerta a psicóloga Juliana Andrade Vieira, da Rede Clinipam. “Dormir é importante não apenas na reestruturação da nossa parte física e mental, mas também do metabolismo”, explica. Por interromper constantemente esses processos metabólicos, a insônia pode levar a outros males como hipertensão, obesidade e doenças infecciosas, além de minar o vigor físico.

 Veja também: O que é alergia?