Quais os sintomas da depressão

Sintomas da depressão

O médico e apresentador Drauzio Valella definiu a depressão como a “tristeza quando não acaba mais”. Só que diferente da tristeza, comum a qualquer ser humano, a depressão, que afeta mais de 350 milhões de pessoas no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), pode levar ao suícidio.

A cada ano, cerca de um milhão de pessoas tiram a própria vida por conta da depressão. Para se prevenir e não deixar que o sentimento ruim assole sua mente e seu corpo, o ideal é entender quais são os sintomas da doença, como indentificá-la, quais são os tratamentos existentes, entre outras informações.

De acordo com a classificação intenacional de saúde, a depressão se divide em leve, moderada e grave. Quando está no grau leve, a pessoa consegue levar uma vida normal. Quando está no moderado, o paciente já não consegue viver a rotina sem frustações. Já quando é grave, o risco do suícidio aumenta, sendo que o tratamento é indispensável.

Quais são os sintomas da depressão?

São vários os sintomas da depressão. Humor depressivo, tristeza excessiva, angústia, sofrimento, pensamentos alterados, perdas de funções cognitivas (como lentidão para gravar determinada informação), pensamento de morte, redução de energia, impossibilidade de sentir prazer, perda de interesse, problemas de sono, alucinações, alteração da atividade elétrica durante o sono, insônia e outros sintomas que devem ser diagnosticados pelo médico.

O que causa a depressão?

A depressão pode ser causada por vários fatores. Os mais comuns são: drogas líticas ou ilícitas (como cocaína, maconha etc), medicamentos (como os corticoides), algumas doenças ou acidentes (como derrames, traumatismos cranianos, estresse) e a genética. Segundo Ricardo Moreno, coordenador do Programa de Doenças Afetivas do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da FMUSP – IPq HC, cerca de 50% dos pacientes com depressão tem algum caso da doença na família.

O cérebro do indívidio com depressão sofre algumas alterações. Os neutransmissores, responsáveis por levar informações entre uma célula e outra, param de funcionar corretamente. Alguns exemplos de neurotransmissores são: serotonina, noradrenalina e dopamina.

Qual o tratamento para a depressão?

O tratamento pode ser feito com medicamentos, com psicoterapias ou com os dois. Depende muito do paciente e da gravidade do caso. Ricardo Moreno, coordenador do Programa de Doenças Afetivas do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da FMUSP – IPq HC, diz que é normal alguns tratamentos não funcionarem em certos pacientes: “Nestes casos usa-se o eletroconvulsoterapia, conhecida também como eletrochoque”, disse.

Brasil, o país dos depressivos

Pesquisa da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostra que o Brasil é o país emergente com a maior concentração de depressivos. No total, 10% da população apresenta algum distúrbio.  Logo atrás vem Ucrânica, Colômbia, Líbano e África do Sul. O dia a dia do brasileiro, principalmente os moradores das grandes capitais, é que deu ao país essa posição no ranking da OMS.

Se você acha que tem sintomas da depressão, conhecida por muitos como a doença do século XXI, não a deixe estragar os prazeres da vida. Visite um médico!